Cercamento eletrônico coíbe furto e roubo de veículos em São Leopoldo -RS

A Guarda Municipal de São Leopoldo implantou, na sexta-feira passada, sistema de cercamento eletrônico para coibir o furto e roubo de veículos no Vale do Sinos. O sistema, integrado ao monitoramento de câmeras da cidade, e radares fazem a conferência de placas, marca e modelo de carros. Em seis dias, 10 carros foram recuperados. Destes, dois haviam sido roubados em Novo Hamburgo.

O sistema eletrônico já estava em fase de testes desde fevereiro deste ano, mas foi no fim de setembro que a prefeitura conseguiu colocá-lo em funcionamento, adaptando a tecnologia aos radares de velocidade existentes na cidade. O objetivo é identificar veículos em ocorrência policial, mas carros em situações administrativas irregulares também estão sendo fiscalizados.

O cercamento funciona da seguinte maneira: 49 radares instalados pela cidade fazem a conferência das placas de carros em vias públicas. Uma vez identificado, o Sistema Integrado de Monitoramento é acionado por um alarme. Equipes da Guarda Municipal, da Brigada Militar e da Polícia Civil são avisadas e começam buscas na cidade.

Na sexta-feira passada, primeiro dia de funcionamento, por exemplo, um Logan, furtado há mais de um mês em Porto Alegre, passou por um dos radares do cercamento eletrônico. O carro foi fotografado, e a imagem enviada à central de monitoramento. A partir disso, duas outras câmeras acompanharam o trajeto urbano. Os motoristas seguiram em direção a Sapucaia do Sul, onde a Brigada Militar já havia sido acionada para efetuar a abordagem. Dois homens foram presos em flagrante.

— Essa ocorrência mostra a importância do sistema. Era um veículo furtado em Porto Alegre, que circulava em São Leopoldo, e foi pego em Sapucaia do Sul. Ou seja, é um trabalho que dá resultados intermunicipais — ressalta Renato Wendorff, comandante da Guarda Municipal de São Leopoldo.

Para manter o sistema em funcionamento, a prefeitura está revertendo parte dos valores arrecadados em multas de trânsito e taxas cobradas no estacionamento rotativo da cidade. O investimento é de R$ 100 mil ao ano. Nos últimos cinco anos, a prefeitura já desembolsou R$ 51 milhões em ações de segurança pública.

Com o Detecta, poucos dados de uma placa de um veículo ajudam a delimitar o perímetro de fuga e localizar o veículo. "Com as câmeras OCRs, qualquer veículo roubado, furtado ou algum que faça comboio para atividades criminosas, será identificado e a viatura mais próxima receberá um alerta", disse o secretário.

<< Retornar

Fonte: ZERO HORA 05/10/2016